Agricultura Vertical? Como assim?

Agricultura Vertical? Como assim?

 

Num mundo onde o crescimento populacional está previsto passar de 11,2 bilhões até o final do século, surge a pergunta: como vamos alimentar todas essas pessoas?

O modelo atual de cultivo - agricultura intensiva em alimentos - está a deteriorar-se rapidamente, tornando-se obsoleto e insustentável para o planeta. Este método utiliza fertilizantes, pesticidas, reguladores do cultivo de plantas, maquinaria pesada - muitas vezes desatualizados - para poder produzir várias colheitas por ano para atender às necessidades do mercado. Deves estará pensar – mas então e as estufas? Vamos lá chegar mais tarde.

O problema com este método é – ser causador de  danos maciços aos solos em que cresce, causando erosão, contaminação de lençóis de água subterrâneos; é o principal fator para a desflorestação em massa - o Cerrado, na floresta amazónica do Brasil, perde uma área equivalente ao tamanho de Londres a cada 3 meses! E isso sem falar em outras áreas que têm grandes pedaços deles destruídos diariamente ou uso de água excessivo que esse método exige. A escala é enorme!

 

Outro problema é a mega urbanização que vemos hoje. Estamos a perder terras aráveis diariamente, os cientistas estimam que perdemos 1/3 de terras aráveis apenas nos últimos 40 anos. A necessidade de criar pastagens para gado e campos de cultivo é tão grande que, se continuarmos no mesmo caminho, acabaremos por perder a maior parte das áreas silvestres que ainda restam no Planeta até 2070.

Como podes suspeitar, pessoas inovadoras tiveram uma ideia que pode ser a solução mágica para esse problema. Essa possível solução é chamada de agricultura vertical, tal como nós utilizamos no Gribb.

 

Então, o que é exatamente agricultura vertical? Explicaremos tudo a seguir.

 

Como o nome sugere, agricultura vertical é a prática de produzir alimentos em superfícies inclinadas verticalmente. Em vez de cultivar alimentos em um único nível, como num campo ou estufa, a agricultura vertical produz alimentos em camadas empilhadas verticalmente, comumente integradas a outras estruturas, como um arranha-céu ou qualquer edifício vertical.

Ao controlar artificialmente fatores como temperatura, luz, humidade e gases, torna possível e viável a produção de alimentos em ambientes fechados.

 

Ok, estás a pensar novamente em estufas , certo? As estufas usam o mesmo bem valioso que a agricultura intensiva, elas usam a terra. Sem mencionar todos os produtos químicos em pesticidas e fertilizantes.

O principal objetivo da agricultura vertical é produzir mais alimentos por metro quadrado. A agricultura vertical é virtualmente negativa para o carbono, para conseguir isso, as colheitas são cultivadas em camadas empilhadas numa estrutura de vida em torre. Uma combinação perfeita de luzes naturais e artificiais é usada para manter o nível de luz perfeito na sala.

 

Finalmente, em vez de solo, são usados meios de cultivo aeropónicos, aquapónicos ou hidropónicos. Resíduos agrícolas, estrume e outros meios semelhantes que não sejam de solo são muito comuns na agricultura vertical. O método de agricultura vertical usa vários recursos de sustentabilidade para compensar o custo de energia da agricultura.

Na verdade, a agricultura vertical usa 95% menos água. Pensa nisso, 95% menos água do que os métodos usados atualmente e um maior rendimento das colheitas, que estão tecnicamente aptas a produzir o ano todo.

 Além disso, mencionamos que todas as culturas são orgânicas? Sim, não há pesticidas ou fertilizantes artificiais na agricultura vertical.

 

Certamente existem desvantagens neste método, nada pode ser perfeito. O custo de construção da estrutura e do dimensionamento em massa das tecnologias usadas na agricultura vertical são muito elevados. O custo de treinar pessoas para operar os sistemas e executar o processo é muito alto.

Então, é o custo da mão de obra, pois a polinização das plantações precisa ser feita por humanos, pois os insetos não existem no ambiente controlado. Além disso, a falta de energia, mesmo por um dia, pode ser um grande prejuízo para a produção.

 

Como vês, há muitos contras neste método. Felizmente, podemos encontrar uma solução para todos eles, já que nenhum problema é maior do que os que enfrentamos agora.

 Estamos a ficar sem tempo e o mais importante, estamos a esgotar o nosso planeta. Os danos causados pela agricultura intensiva durante séculos são muito maiores do que o custo de edifícios, mão de obra, tecnologia e um sistema de energia de reserva!

Atualmente a agricultura vertical é usada em muitos países desenvolvidos como Japão, EUA, alguns países da UE e Reino Unido. Infelizmente, representa uma percentagem muito pequena do mercado no momento.

 

Ao adotar amplamente a agricultura vertical, seremos capazes de resolver vários problemas com uma solução. Seriamos capazes de diminuir quase totalmente a poluição causada pela agricultura agora. Pararíamos a desflorestação  para criar espaço para a agricultura, permitindo, portanto, que a floresta e a vida selvagem se recuperassem e absorvessem ainda mais gases de efeito estufa, ajudando a manter o aumento da temperatura em um nível estável.

Reduziríamos o uso atual de água pela agricultura de hoje em 95%. Seríamos capazes de produzir alimentos suficientes para a população mundial, bem como sermos capazes de produzir os alimentos que são necessários em qualquer área específica do mundo, sendo tecnicamente capazes de erradicar ou, pelo menos, reduzir significativamente a fome mundial. Iríamos criar empregos, empregos qualificados. Impulsionaríamos as economias e os níveis de alfabetização em todo o mundo, uma vez que esta indústria seria operada por trabalhadores altamente qualificados em grande número.

 

Mas, principalmente e mais importante, teríamos a oportunidade de reverter o ciclo de destruição que criamos e preservar o nosso Planeta.

Voltar para o blogue